empatia das crianças

Dicas de atividades para desenvolver a empatia em crianças e adolescentes

Envolvendo saberes diversos e profundos, a empatia – palavra que se populariza a cada dia, assim como toda habilidade social, é inata, devendo ser desenvolvida por cada um de nós.

Engana-se quem pensa que a empatia deve ser praticada apenas pelos adultos. As crianças e adolescentes também têm problemas e podem sentir angústias em suas vivências e dificuldades em colocar a empatia em prática.

As mamães, os papais e responsáveis, devem, o quanto antes, ter a capacidade de moldar as crianças e adolescentes para que eles tenham esse sentimento de ‘coração aberto’, afinal, nos dias de hoje, é primordial entender o ponto de vista do outro, exercendo a generosidade e tolerância com o próximo.

A seguir, elencamos os detalhes dessa mágica e poderosa palavra, trazendo dicas de atividades para desenvolver a empatia nas crianças e adolescentes, fazendo com que eles aprimorem essa habilidade desde cedo. Boa leitura!

O que é a empatia?

Palavra de origem grega, a empatia significa ter a habilidade de entender a necessidade do outro. É ter a capacidade de vivenciar a dor e a alegria de outra pessoa, mesmo que a ligação entre elas não seja algo próximo ou extraordinário. Ter empatia é:

  • Sentir o que uma pessoa está sentindo;
  • Se colocar no lugar dela e ver o mundo pela sua perspectiva;
  • Ter a sensibilidade de ouvir o próximo, mas fazendo uma escuta ‘na essência’;
  • Ter empatia é se alegrar pelas conquistas e vitórias do outro;
  • É também ver as tristezas, entender os desconfortos e se convalescer com as dificuldades de quem a está sentindo.

Desenvolvendo a empatia nas crianças e adolescentes

Observada desde o nascimento, quando um bebê começa a chorar após ouvir outro chorando, essa é uma capacidade de perceber o próximo e saber que ele está passando por uma situação difícil.

Em nossos primeiros anos de vida, começamos a assimilar o que é importante e o que pode ser deixado de lado. O resultado disso?

O que não é importante vai se perdendo em nossa mente, e o que não for estimulado nessa época fica muito mais difícil de desenvolver na idade adulta.

O exemplo abordado no início desse tópico refere-se a um bebê, porém, não são todas as pessoas que nascem com essa qualidade enraizada. Ou seja, para algumas pessoas, surgirão grandes dificuldades para desenvolver a empatia.

Mas será que é possível ensinar empatia para as crianças? De acordo com um estudo publicado no site Hemocord, a resposta é sim!

“Em uma pesquisa feita na Universidade de Princeton, estudantes de teologia foram divididos em grupos, dentre eles um que estudou a história do Bom Samaritano para dar um sermão. Nessa história, um homem ajuda um desconhecido na beira da estrada, sem esperar nada em troca, só movido pela empatia. No caminho para dar o sermão, todos os estudantes se depararam com um homem curvado e gemendo no meio do caminho. Aqueles que estudaram a história do Bom Samaritano foram os que mais pararam para ajudá-lo”. 

De fato, a empatia pode ser ensinada, mas como desenvolvê-la em crianças e adolescentes? Por que ensinar a empatia para esse público?

Ensinar as crianças a terem mais empatia reforça as habilidades sociais e faz com que elas fiquem mais abertas à comunicação e compreensão dos outros, ajudando as crianças a entenderem temas delicados.

  • Na hora de educar, criar regras e corrigir comportamentos, leve os sentimentosdo seu filho em consideração;
  • Quanto mais pessoas diferentesele conhecer, maior será sua capacidade de respeitar e simpatizar com os outros;
  • Quando ele brigar com um colega, irmão ou primo, além de explicar que não se deve bater ou empurrar alguém,pergunte como ele acha que a outra pessoa está se sentindo, ou como ele se sentiria na mesma situação;
  • Mostre que existem pequenasmaneiras de se importar com os outros no dia a dia, como oferecer o assento no transporte público, dar passagem para quem está com pressa, ajudar um colega na escola ou os pais em casa, etc.

A seguir, confira 3 atividades para desenvolver a empatia nos pequenos e nos grandinhos, os adolescentes.

 – Dica 1: ler livros

Um estudo publicado na revista científica Science, mostrou que o hábito de ler livros de ficção aumenta a empatia e a compreensão com outras pessoas. Isso porque, para compreender os personagens e os conflitos das histórias, é preciso sentir empatia por eles.

Apresente a empatia em forma de contos de fada ou outras histórias, próximo à linguagem da criança

– Dica 2: dinâmica da empatia

Ideal para quando as crianças, coleguinhas e priminhos estiverem reunidos, ou mesmo na sala de aula. Em um papel em branco, os participantes deverão escrever, de modo que sua letra não seja identificável, alguma dificuldade que encontra no relacionamento interpessoal e que não gostaria de expor oralmente em qualquer ambiente.

O próximo passo é o coordenador da dinâmica recolher os papéis entregues e misturá-los. Com um sorteio, os papéis são pegos pelos participantes da dinâmica, que assumem como seus os problemas lá escritos.

A ideia é fazer sugestões de soluções e não promover debates ou perguntas. O líder da dinâmica deve propor questões como: “O outro compreendeu seu problema?”; “Como você se sentiu ao ver o problema descrito?”; “Você compreende o problema do outro?”; e “Como você se sentiu em relação ao grupo?”.

Desse modo, é mais fácil se colocar no lugar do outro e, assim, entender seus comportamentos e sentimentos, o que é essencial para desenvolver a empatia necessária para a convivência em grupo.

Frisar a importância dos sentimentos, sejam eles bons ou ruins, aumenta a percepção de que as pessoas sentem diferentes coisas em uma mesma situação.

 – Dica 3: é hora de dançar

Uma grande ferramenta para treinar a empatia nas crianças é a dança a dois, que pode ser incentivada nas festinhas de aniversário, festas temáticas na escola, onde a necessidade de seguir passos em conjunto e o contato corporal ativam os neurônios da empatia.

Dançar em dupla também trabalha a empatia pelo estímulo da comunicação não verbal.

 Gostou desse conteúdo? Saiba que o IBHF também se preocupa com o desenvolvimento da empatia nas crianças e adolescentes assistidos pelo instituto. Com o propósito auxiliar na formação das crianças e jovens, mesmo na pandemia, os profissionais têm desenvolvido atividades online, transmitindo, além dessa habilidade, valores e ética nas atitudes do dia a dia, para que eles se reconheçam como cidadãos globais. Conheça o Instituto BH Futuro e seja um investidor, ampliando essas ações em prol de um mundo melhor.

 

Fontes presentes no texto

https://editoramundoemissao.com.br/2018/12/04/atividades-para-promover-a-empatia-em-sala-de-aula/

https://www.ibccoaching.com.br/portal/conheca-o-poder-da-empatia/

https://hemocord.com.br/empatia-para-criancas/#:~:text=A%20empatia%20pode%20ser%20observada,a%20empatia%20deve%20ser%20desenvolvida.

 

small_c_popup.png

Comece a ajudar!

Sua ajuda é muito importante!

Clique na forma de pagamento que preferir:




Você pode fazer uma doação por PIX

Se preferir você pode doar creditando na conta do Instituto BH Futuro:

Transferência direta – Banco Santander

DADOS BANCÁRIOS
Instituto BH Futuro, CNPJ 28.247.706/0001-71
Banco Santander (033), Agência 4275,
Conta corrente 13005159-8