Outubro Rosa

Outubro Rosa: câncer de mama pode atingir mais de 66 mil pessoas este ano

Apesar da pandemia da Covid-19, a luta contra o câncer de mama não pode ser esquecida, até porque o câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do câncer de pele não melanoma. O tumor responde, atualmente, por cerca de 28% dos casos novos de câncer em mulheres.

Dados do Instituto Nacional de Câncer estimam 66.280 mil novos casos só em 2020. Esse tipo de câncer está, também, entre os três mais comuns do mundo, ao lado do câncer de pulmão e colorretal (tumor maligno que se desenvolve no intestino grosso).

Por esses importantes motivos, ao iniciar o décimo mês do ano, todos os cantos do mundo já começam a abordar e reforçar a importância sobre a prevenção do câncer de mama, dando nome para a tradicional campanha Outubro Rosa que, recentemente, também passou a abordar os cuidados sobre a prevenção contra o câncer do colo de útero e da saúde feminina como um todo.

Mas, mesmo que o tema tenha destaque anualmente, muitos ainda não conhecem do que se trata a campanha, como ela surgiu, como chegou ao Brasil e por qual motivo tem a cor de rosa como escolhida.

Por isso, a seguir, conheça todos os detalhes sobre essa nobre causa.

Boa leitura!

 

O que é o câncer de mama?

O câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres, no Brasil e no mundo, correspondendo a cerca de 25% dos casos novos de câncer a cada ano. Esse percentual é de 29% entre as brasileiras.

É causado pela multiplicação desordenada das células da mama. Esse processo gera células anormais que se multiplicam, formando um tumor.

Há vários tipos de câncer de mama. Alguns têm desenvolvimento rápido, enquanto outros crescem mais lentamente. Esses comportamentos distintos se devem às características próprias de cada tumor. Entre os possíveis sinais e sintomas, destacamos:

– alterações no tamanho ou forma da mama;

– nódulo único e endurecido;

– vermelhidão, inchaço, calor ou dor na pele da mama, mesmo sem a presença de nódulo;

– nódulo ou caroço na mama, que está sempre presente e não diminui de tamanho;

– sensação de nódulo aumentado na axila;

– assimetria entre as duas mamas;

– endurecimento da pele da mama, semelhante a casca de laranja;

– coceira frequente na mama ou no mamilo;

– formação de crostas ou feridas na pele junto do mamilo;

– inversão do mamilo;

– inchaço do braço;

– dor na mama ou no mamilo.

 

A importância da mamografia

De fato, diagnosticar o câncer precocemente aumenta significantemente as chances de cura, 95% dos casos identificados em estágio inicial têm possibilidade de cura. Por isso, a mamografia é imprescindível, sendo o principal método para o rastreamento da doença.

Mesmo com essa importante recomendação, de acordo com a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) das 11,5 milhões de mamografias que deveriam ter sido realizadas em 2018, apenas 2,7 milhões foram feitas. A diminuição acentuada do exame é um fator de risco para milhares de mulheres e um alerta para a importância da campanha.

 

O surgimento do Outubro Rosa

O mês de outubro é mundialmente conhecido pela luta contra o combate ao câncer de mama, onde os cuidados sobre a prevenção da doença, além de estimular a importância do autoexame nas mamas para a detecção dos sinais inicias da doença são reforçados pelas campanhas do Outubro Rosa.

Criado no início da década de 1990 pela Fundação Susan G. Komen for the Cure, durante todo o mês, várias iniciativas públicas e privadas são divulgadas em prol de compartilhar informações e promover a conscientização sobre a doença, além de proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e contribuir para a redução da mortalidade por conta da doença.

 

Outubro Rosa no Brasil

No Brasil, a primeira iniciativa foi da campanha aconteceu no dia 2 de outubro de 2002, quando foi comemorado os 70 Anos do Encerramento da Revolução. Nessa data, houve a iluminação em cor rosa do monumento Mausoléu do Soldado Constitucionalista, popularmente conhecido como o Obelisco do Ibirapuera, em São Paulo. Na época, a iniciativa foi idealizada por um grupo de mulheres simpatizantes com a causa do câncer de mama, que com o apoio de uma conceituada empresa europeia de cosméticos.

No país, o Instituto Nacional do Câncer (INCA), que participa do movimento desde 2010, promove eventos técnicos, debates e apresentações sobre o tema, assim como produz materiais e outros recursos educativos para disseminar informações sobre fatores protetores e detecção precoce do câncer de mama, chamando a atenção das mulheres para a necessidade de frequentar o médico e de fazer a mamografia.

 

A cor rosa

Escolhida para simbolizar a iniciativa, a elegância e feminilidade da cor rosa, ajudou a promover a popularidade da ação, levando a cor e ideia mundo fora, motivando e unindo diversos povos em torno na mesma causa.

As peças de comunicação, comerciais nas TVs e iluminação de prédios empresarias e locais públicos iluminados com a cor, acabaram assumindo um importante papel, tornando-se referência na leitura visual e compreendida em todos os cantos do mundo.

 

Celebrações durante a pandemia

Neste ano, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) lança o movimento de conscientização “Quanto antes melhor”. A ideia é chamar a atenção das mulheres para a adoção de um estilo de vida saudável no dia a dia, com a prática de atividades físicas e boa alimentação para evitar doenças, entre elas, o câncer de mama.

A SBM quer reforçar que há muita vida após o câncer de mama e que o cuidado com a saúde feminina deve ser olhado com atenção, principalmente neste momento em que o rastreamento e o tratamento foram prejudicados e ainda estão sendo retomados por conta da pandemia.

 

Infelizmente, o câncer de mama não é uma doença totalmente prevenível, por isso, mais uma vez, reforçamos a importância do autoexame e da mamografia a partir a partir dos 40 anos de idade, que deverá ser realizada anualmente. Os números relacionados ao público feminino são altíssimos, mas vale lembrar que a doença também acomete o público masculino, por isso, previna-se, cuide-se, ame-se!

small_c_popup.png

Comece a ajudar!

Sua ajuda é muito importante!

Clique na forma de pagamento que preferir:




Se preferir você pode doar creditando na conta do Instituto BH Futuro:

Transferência direta – Banco Santander

DADOS BANCÁRIOS
Instituto BH Futuro, CNPJ 28.247.706/0001-71
Banco Santander (033), Agência 4275,
Conta corrente 13005159-8